Archive for março \19\UTC 2007

h1

COMO VOCÊ FAZ?

19 março, 2007

deitadasozinha2.jpg

Como você faz isso comigo?
Como você some e resurge levemente?
Tão leve, ou ainda mais, você me atiça e ousa sumir novamente…

Como me deixa assim?
Com vontade de você e de mim…

Depois de algum tempo
E só com esta brisa de tua presença
me deixa com vontade

Faz-me sentir
E procurar

Faz eu querer absurdamente
E não ter…

Faz com que minha boca umideça
Aqueça
E queira procurar a tua

Procura
mas não encontra…

Eu esperar tua presença
ansiosamente

Ver as estrelas descerem
E ainda
não ter lhe encontrado.

Faz eu cansar da espera
procurar-te desesperadamente

E só encontrar parte de ti
em mim

Com o coração acelerado
esquecer e dormir.

Anúncios
h1

FLOCOS

8 março, 2007

flocos.jpg

 As pessoas esquecem da qualidade e tendem a praticidade, aliás, a extrema praticidade…
Esqueceram-se de como é flocos-flocos e tudo virou flocos-granulados, sorvete de creme com granulado.
Mas eu gosto é flocos-flocos, tão poucos, mas tão flocos….
Sorvete de nata com flocos, flocos de flocos.

h1

Comer

4 março, 2007

boca.jpg

olhei para baixo
lá estava ele pedindo:
– me come

comi!

h1

ARQUIVOS

1 março, 2007

Está aqui – tudo guardado, arquivado, protegido. Pequenas lembranças redigidas de nossas noites insones, pequenos arquivos de conversas longamente curtas e mais uma porção de poemas roubados. Impossível não me lembrar, ou melhor, não me deixar esquecer de cada seqüência bem casada de letras e palavras. Quanta sagacidade e eloqüência!
Tu, odiosa e admiravelmente responde e finda minhas questões em poucas palavras – como se tudo terminasse com um ponto final. E termina.
Saiba que, meus pontos finais são pequenas despedidas e poucas vezes me despeço do que me atrai, por isso, prefiro as reticências. Mas se o caso for, dou-te a licença para usar de pontos finais comigo… Estranho!
Sempre me resta a sensação de que estás há um nível acima, que sou teu aprendiz, ainda que meu gosto diga que há mais lirismo em mim do que em ti. Mastigue os antigos poemas!
Prova-me. Prova-me do quão difícil é seduzir uma pessoa inteligente […]